Motivado pelos seus estudos e experiências musicais no Brasil, surge do clarinetista, arranjador e diretor Emiliano Alvarez a iniciativa de formar em Buenos Aires uma orquestra de música popular brasileira inspirada nas “Orquestras à base de sopros”: grupos tradicionais dedicados aos ritmos de samba, choro, frevo e baião do repertório antigo e contemporâneo brasileiro.

Estas orquestras, influenciadas pelas antigas formações do jazz norte-americano, estruturam-se  como “Big bands”: uma banda composta por uma base rítmica e harmônica (“a cozinha” segundo os próprios brasileiros) com violão, baixo, bateria e percussão mais o agregado de flautas, clarinetes, saxofones, trombetas e trombones, além da eventual participação de cantores convidados.

“A Saidera” é a primeira orquestra com esses recursos na Argentina. É formada por 16 músicos estáveis mais convidados.

Em 2012 a orquestra gravou seu primeiro disco “SOTAQUE” com a participação de importantes músicos da cena argentina (Guido Martinez no baixo, Diego Alejandro na percussão, Victor Skorupsky no sax e Daniel Kovacich no clarinete) capturando neste trabalho arranjos próprios e outros de grandes arranjadores brasileiros (Lea Freire, Jovino Santos Neto) de músicas clássicas e contemporâneas da MPB, bem como músicas originais dos argentinos Sebastian Perez e Emiliano Alvarez.

“SOTAQUE” foi muito bem recebido pela imprensa especializada, sendo inclusive escolhido para fazer parte do catálogo do “Club del disco”.

Também em 2012 A Saidera começou um projeto junto ao cantor brasileiro Pedro Miranda -importante figura da cena carioca atual- fazendo dois shows no Boris e na sala Siranush, em Buenos Aires.

A orquestra tem se apresentado em destacados cenários de Buenos Aires como o Festival de Jazz BA 2013 no Centro Cultural Recoleta, Embaixada do Brasil, Café Vinilo, Boris Club, Sala Siranush, Notorious, Domus Artis, No Avestruz, Dia do Brasil na Feira do livro 2012, Festival “Mendoza em bossa” 2011, 2013 em Godoy Cruz, Mendoza e em três edições do Festival “Bossa nova argentina” 2009, 2010, 2011 no Teatro Alvear de Buenos Aires e Centro Cultural del sur e no Festival Ecunhi 2009. Apresentou-se também no programa de rádio de Julio Lagos na Rádio El mundo, no programa de TV “Vivo en Argentina” no Canal 7, e em “Sonidos Clandestinos” na Rádio La tribu.

Em 2015 a orquestra decide mudar o rumo incluindo no seu repertório ritmos de outros países da América do Sul: zamba argentina, joropo venezolano, festejo peruano, cumbias e candombes começam a soar na big band. Pouco a pouco vai se delineando o que será o segundo disco, a realizar-se em 2017 sob a direção musical de Javier Mareco.

Em 2017 a orquestra A Saidera é declarada de Interesse Cultural pela Ciudad Autónoma de Buenos Aires e beneficiada com a lei de Mecenato.